Corno Punhetando E Guiando A Pica Do NegÃo Na Buceta Da Esposa

Corno Punhetando E Guiando A Pica Do NegÃo Na Buceta Da Esposa

Corno Punhetando E Guiando A Pica Do NegÃo Na Buceta Da Esposa

Então me chamaram para participar da safadeza só que não quis porque nunca tinha feito aquilo, então fiquei bebendo enquanto eles se pegavam, eles pararam e foram beber junto comigo, minha amiga sentou ao meu lado e ficamos bebendo e conversandojá estávamos bêbados minha amiga começou a me fazer caricias colocar a mão por dentro da minha blusa e apertar meus seios e me beijou na boca achei estranho mais ela foi me apertando tão gostoso que comecei a gostar, então ela começou a chupar meus seios e ao mesmo tempo passando a mão na minha buceta por cima do short, então fiz o mesmo com ela, comecei a chupar os seios dela e pagar na sua bucetinha. Obrigada!– Amanda: você gostou?Angela adorou o novo amante xingando seu marido corno e engasgou no pau de Biel como na noite anterior, Gabriel não aguentou, vendo a tia da namorada sem ar, tentando engolir toda sua pica, mas sem sucesso, acabou gosando na sua boca, Angela se assustou, tirou a boca rápido e levou os últimos jatos no rosto, na testa e no queixo, ficando toda melada. Meu pau estava estourando de tesão e Júlio após alisar minha pica cai de boca bem devagar, chupava a cabeça e tentava engolir aquele mastro rígido enquanto eu ainda estava me deliciando com a xaninha de sua esposa.

-A filhinha dá… Vou ser sua no fim de semana, o que acha? Me comer na frente do negão. Eu obedecia, quase de quatro, me deliciando com a trilha sonora, guiando meu quadril cada vez mais em direção aos meus dedos que massageavam e ensaiavam pra escorregar pra dentro.

Sou casado, tenho um filho de mais ou menos 18, trabalho fora, e um dia chegando em casa, ouvi uns barulhos vindos do quarato…fui ver o que era e tive um susto…minha mulher punhetando nosso filho…fiquei surpreso e excitado…então eu perguntei o que era que estava acontecendo…então ela disse que o nosso filho queria aprender a transar e não queria ir na rua…ela falou que ele disse que era dever do pai e da mãe ensinar…eu disse que por mim estava tudo bem…ela então voltou a bater a punheta nele que gemia muito, foi aí que ele disse: você não vem ajudar ela?Porem aos 14 anos ocorreu algo inesperado em minha vida: eu me apaixonei perdidamente, por uma mulher! Ela era minha professora de piano, uma mulher linda, de 19 anos, que eu dava tudo para estar perto! Passei uma fase de serios conflitos por causa desse intenso sentimento… sofri para entende-lo, depois para aceita-lo, depois perdi varios “amigos” em funcao do preconceito! Por causa do sofrimento causado por todas essas coisas resolvi que teria que dar um tempo para mim e para todos a minha volta, para que todos nos pudessemos aceitar a nova Dani! Resolvi fazer intercambio, fui estudar na California, na casa de uns parentes, durante seis meses! E foi la que eu conheci a Amity!!!Ela gemeu e contorceu o corpo….